quarta-feira, 13 de junho de 2012

Educação Patrimonial de Jahu - descrição arquitetônica e história de alguns bens culturais da cidade de 159 anos.





1 – Casa do Major Prado – Rua Major Prado, 564

- Arquitetura
É uma casa muito importante para o patrimônio histórico e arquitetônico da cidade. Seu estilo é eclético, com forte influência neoclássica.  

Sua distribuição no lote é tradicional – a velha casa com porta central que dá para a rua e distribui a dois cômodos principais. Na fachada, chama a atenção os frisos com características do neoclassicismo, e as janelas que tem motivos nos vidros desenhos tipicamente “art noveau”, com excesso de cursas. A casa mantém apenas a fachada preservada seu fundo foi inteiramente reformado abrigando hoje a Casa Paroquial da Matriz Nossa Senhora do Patrocínio.


2 – Casa de Constantino Fraga – Rua Campos Salles, 183

- Arquitetura
Uma construção muito rara, das mais antigas mantidas na cidade. No Museu Municipal há uma foto de 1888 onde ela já aparece imponente, com sua influência européia. Embora dentro do ecletismo é uma edificação tipicamente de países alpinos – um chalezinho com telhado muito inclinado. Casas como essa podem ser encontradas ainda no Rio de Janeiro, mas são raras. Atualmente o prédio encontra-se sem utilização. 



3 – Casa de Edgard Ferraz – Rua Edgard Ferraz, 547

- Arquitetura
Construção de arquitetura eclética de predominância neoclássica, construída na primeira década do século XX. Na janela central existe uma pequena sacada onde é possível observar dois suportes para mastros de bandeiras.



4 – Casa de Osório Ribeiro de Barros Neves – Rua Edgard Ferraz, 579

- Arquitetura
O casarão sofreu algumas alterações durante sua existência, sendo substituído o alpendre de ferro e vidro  pela atual de cimento. Como quase todas as casas do centro histórico é uma construção de arquitetura eclética do início do século XX.


5 – Antiga agência do Banco do Brasil – Rua Amaral Gurgel, 387

- Arquitetura
Seu estilo é clássico, com influência neoclássica. Originalmente possuía um “torreão” – espécie de torre ou cúpula no alto do edifício – utilizado para destacar os prédios de esquina. Ressalta-se ainda como riquezas do prédio as colunas em capitel compósito, um arremate heterogêneo que mistura o jônico e o coríntio – tem as colunas embebidas em parede e a bossagem imitando pedra em sua parte inferior. É um prédio com decoração contida, muito aristocrática.



6 – Jahu Clube – Rua Amaral Gurgel, 298

- Arquitetura
O prédio que destaca-se pela sua imponência traz o estilo neoclássico com forte influência inglesa.
 A influência européia da construção pode ser constatada pela localização do prédio, na esquina, e pelas “mansardas” – o último andar de uma edificação, formado pela inclinação inferior do telhado. São as janelinhas que se pode observar no alto do edifício, típicas de países frios, onde os telhados são muito inclinados, e sua parte superior, na Europa, era usada como local de moradia dos empregados. A decoração entre as janelas e os frontões triangulares sobre elas lembram muito o neoclássico. 



7- Coreto da Praça da República, centro

- Arquitetura/História – por Ricardo Dal’bó
Jardim de Baixo, como ficou popularmente conhecida a Praça da República, pelo fato de haver a Praça Siqueira Campos acima, o Jardim de Cima. Originalmente projetada em 24 de dezembro de 1910 pelo engenheiro paulistano José Ribeiro da Silva, fez parte das obras de saneamento e criação do novo código de posturas para as construções, implantados pelo então prefeito municipal, Constantino Fraga.
A praça da República segue em suas formas o modelo de jardim francês, seu desenho remete a forma de um peixe, fazendo referência ao Jahu, tem coreto central, alamedas ladrilhadas e ladeadas com bordas de tijolos que conduzem as águas para um bem elaborado sistema de galerias pluviais, há um repuxo em forma de flor com jardineiras ao redor e várias espécies de árvores e plantas ornamentais. E é a única da cidade que mantém o traçado, elementos estéticos e materiais empregados na construção ainda originais, sendo que com o decorrer dos anos poucas e pontuais intervenções ocorreram e não chegam a ofuscar sua “grandiosidade singela”.


8 – Grupo Escolar Pádua Salles

A escola inaugurada em 1902 é a primeira escola pública de Jahu. Teve como engenheiro arquiteto responsável Euclides da Cunha.


(OBS: as descrições arquitetônicas dos edifícios foram feitas por Juliano Ghigardello / Matéria em construção)  




Um comentário:

Ricardo Luis Dal'Bó disse...

O projeto do Pádua é do Arquiteto José Van Humbeeck.