domingo, 13 de março de 2011

Cariocas visitam Jaú no carnaval 2011

Grupo Melhor Idade da capital fluminense escolhe Jaú para brincar o carnaval 2011. 



Parece algo inacreditável pensar que cariocas pudessem visitar nossa cidade para apreciar nosso carnaval mas isso ocorreu em Jaú e neste ano. Durante os dias 6, 7 e 8 de março tive o prazer e a honra de guiar 46 pessoas da cidade maravilhosa (um grupo da Melhor Idade na sua maioria) em visitas à Barra Bonita, Brotas e claro nossa querida Jaú. Foi minha primeira grande experiência como guia turístico na região já que estou habituado a fazer trabalhos internos (principalmente a Matriz e o Cemitério), mesmo assim aceitei o desafio e o que se segue agora é uma pequena narrativa das minhas experiências e das muitas alegrias que vivemos juntos nestes poucos dias. 

Primeiro desafio: Chuva

Não foi fácil conciliar os passeios previstos com a chuva que não dava trégua. No dia 5 eles visitaram  Ibitinga - a capital do Bordado - sobre forte chuva. Não desanimaram e fizeram compras. Cheguei no Hotel Realce onde estavam hospedados já no início da noite para conhece-los pessoalmente e leva-los para o desfile de Carnaval no Centro Histórico. Quando nos achávamos na recepção do hotel para o embarque foi noticiado no TEM Notícias que o desfile fora adiado para a segunda feira. Restou-nos um passeio de reconhecimento de onde seria o carnaval. Por fim, não choveu naquela noite. 

Dia 6, Domingo - Barra Bonita


Saímos pela manhã para conhecer os atrativos turísticos da Barra Bonita. O Rio Tietê encantou aqueles que tinham uma imagem negativa (poluição principalmente). Visão esta construída segundo relatos deles através dos noticiários sensacionalistas como os "Datenas da vida" que mostram o Rio Tietê ao fundo nos telejornais sempre sujo, reto, feio e transbordando. Logicamente isso é conseqüência da maneira que eles tratam o Rio Tietê lá, aqui é diferente. 
Primeira parada o Museu Municipal Luiz Saffi onde fomos muito bem recebidos pela diretora Janaina Cescato que em breves mas objetivas explanações contou-nos a História da sua cidade. 


Após o Museu tivemos o tempo livre onde alguns puderam conhecer a famosa feirinha de artesanato. Outros aproveitaram para fazerem passeios de bonde e é claro ao som das marchinhas.


Almoçamos e as 14:30 embarcamos no navio San Marino do sempre alegre e competente  Capitão Hélio Palmesan. Entre piadas de sogra, Histórias, dados geográficos e marchinhas (alem de um pouco de garoa) fizemos nosso carnaval. Não preciso dizer que só deu "nos", como diria "ficou pequeno" aquele barco para tanta animação.


Por sorte do guia carioca Gustavo Sá não tenho registro fotográfico da sua performace imitando o Sidnei Magal que alguns chamaram injustamente de "Sidnei Mingau".


Dia 7, Segunda-Feira - Jaú e Brotas

Começamos a manhã do dia 7 com um city tour pelo centro histórico de Jaú. Nossa primeira parada foi em nosso maior cartão postal, a Igreja Matriz Nossa Senhora do Patrocínio.


Segundo desafio - falta de infraestrutura para receber os turistas no centro histórico

Foi difícil achar uma vaga para estacionar o ônibus, os banheiros públicos ficavam distante e não havia uma lembrancinha sequer que pudesse ser adquirida com o nome de Jaú. Atenção empresários, vamos investir nisso, camisetas, bonés, chaveiros, etc.


Por grande sorte o Sr. Ítalo Poli Junior estava passando no local justo no momento em que falava sobre a restauração da nossa Matriz. Seu Ítalo é o presidente da comissão de restauro da Matriz e jauense atuante na cultura local (além de ser primo deste que vos escreve, para meu orgulho). Com muita simpatia que lhe é peculiar presentiou o grupo com um CD sobre a História do nosso herói nacional João Ribeiro de Barros.


 Explicações sobre a arquitetura eclética da Matriz chamou a atenção dos cariocas assim como a breve História da fundação da cidade em 1853.


Dentro da Matriz explicações sobre as pinturas. Alguns aproveitaram o clima de adoração ao Santíssimo para orarem.


Encantados com o nosso comércio alguns preferiram fazer compras e este simpático grupo ficou aos meus cuidados na centenária Praça da República.

Almoço


Almoçamos muito bem no Restaurante Gulana. Antes porem cometi uma gafe. Com um guia de turismo da gestão anterior que mostrava o Gulana ao lado do Lago do Silvério dirigi o grupo até aquela localidade. Para minha surpresa não achei o restaurante, onde estaria o Gulana? O guia da excursão Gustavo telefonou então para o restaurante e o proprietário muito prestativo começou a ensinar-lhe o caminho. Como ele não entendia o caminho passou o celular para mim. Não sei o que deu na minha cabeça tão nervoso que estava com a situação (um guia perdido), ao invés de dizer meu nome, disse, "aqui é o jauense, o jauense", mas como minha mente estava blindada não consegui localizar as ruas foi quando o proprietário disse-me para ficarmos lá que ele iria nos buscar. Foi a deixa para a Paula (outra guia da excursão) pegar o microfone aos risos para anunciar que o guia estava perdido e que alguém iria nos socorrer. Coisas da vida. Ai pegou o jargão, qualquer coisinha falavam "sou jauense".

Incidente superado fomos para Brotas (onde ocorreria mais tarde outra gafe).

Tínhamos planejado ir primeiro no Cine São José, como a cidade estava cheia de pessoas e de carros estacionados não achamos onde parar e fomos descendo. O que seria nossa última parada foi a primeira pois descemos no Parque dos Saltos.


Apreciações feitas, muitas fotos depois, subimos para o Museu do Calhambeque.


Eu (Julio Polli) e os guias do Rio de Janeiro, Paula Lemos e Gustavo Sá


Senhor Daniel e esposa no Museu do Calhambeque - herança de Raniero Bressan (mais informações http://www.brotas.com.br/museudocalhambeque/ )

Se lembra quando falei que tinha uma nova gafe? Pois então começou após sair do Museu do Calhambeque. Nosso ônibus estava longe (na verdade nem sei onde estava) e na minha opinião sair dali e ir até o Cine São José não era tão longe como na verdade foi. Quase matei o povo de andar. Quando chegamos no Cine (já estávamos atrasados) alguém me chamou de canto para se queixar da logística. Realmente fiquei muito chateado com o ocorrido. A culpa era minha e não dos guias da excursão. Mea culpa admitida, conhecemos o majestoso cinema comprado e restaurado pelo cantor Daniel.


Logo após o Cine São José, fomos de ÔNIBUS até a Casa da Cachaça. Eta...

Dia 8, Terça-Feira - Carnaval em Jaú

Com o adiamento do desfile carnavalesco para a segunda e as chuvas que não davam trégua, infelizmente o grupo não pode apreciar aquilo que vieram ver em Jaú, um carnaval tradicional.  Aliás fruto do trabalho de André Galvão de França frente a Secretaria de Cultura e Turísmo. Foi por causa dos carnavais de 2009 e 2010 que esse grupo escolheu Jaú para sua estadia no carnaval.
Pela manhã o tempo foi livre. Alguns escolheram descer até o centro da cidade e outros acompanharam-me para um passeio de Arte Cemiterial.


Fomos almoçar (dessa vez consegui chegar no Gulana sem errar) e após seguimos para a Matinê no Caiçara Clube.


Olha a animação do grupo antes de entrar no Caiçara.


Até eu cai na gandaia. Creio que fazia mais de sete anos que não participava de carnaval algum.

Apesar de parecer um macarrão pulando como comentou um amigo, cai na folia com o povo carioca. Havia apenas um inconveniente, toda vez que era anunciado que estava presente um povo do Rio de Janeiro, acredito que os sócios do Caiçara ao olharem para minha pessoa  pensavam "aquele carioca ali esta meio diferente".
Por fim os cariocas contagiaram os jauenses que ao meu ver divertiram-se muito com a animação desta trupe e eu ali pensando se tudo aquilo era real pois estava pulando carnaval (uma festa que tanto detestei) com uma galera super animada do Rio de Janeiro em Jaú! Se você não vai ao Rio de Janeiro, o Rio de Janeiro vai até você.

O carnaval se foi... e se foram meus amigos. Sou uma pessoa privilegiada por conhecer gente tão bacana e cheia de vida. Monstrou-me o quando o povo do Rio de Janeiro é carismático, simpático e acolhedor. O Rio de Janeiro é realmente a "Cidade Maravilhosa" nem tanto pela sua beleza mas principalmente por sua gente.

A vocês da GP Turismo (Gustavo e Paula) meu sincero e profundo agradecimento. Até a próxima. Assinado - Jauense.


4 comentários:

Antonia disse...

HALLO JULIO!

GOSTEI MUITO DE SABER QUE VOCÊ FICOU COM BOA IMPRESSÃO DO NOSSO GRUPO.
OBRIGADA.
Sehr Gut! Sie war sehr nett. Richtig? Hahahahah.
Tschüs
Antonia Schramm.

Maria Alice disse...

Oi, Júlio
Quero agradecer o carinho e a atenção que você teve com todo o nosso grupo. Participei da visita ao cemitério de Jahu. Parabéns pelas explicações sobre a arte cemiterial.
Abraços,
Maria Alice

Evelyn disse...

Olá Julio, que saudade!
Adoramos o seu depoimento sobre o nosso encontro em Jaú. A simpatia que você atribuiu ao nosso grupo é idêntica à que você irradia. Obrigada por dividir conosco o seu conhecimento de historiador e nos brindar com a sua companhia.
Abraços fraternos do casal
Edson e Lucia

cleber disse...

VALEU JULIO FOI MUITO BOM TERMOS ESTADO JUNTOS OBRIGADO POR SUA CONSIDERAÇÃO

UM ABRAÇO
CLEBER E NEUSA